2017… Um breve registro no tempo

Hoje eu brinco de dobrar o espaço e o tempo, ouso apertar o pause na tentativa frustrada de parar essas dimensões, e de alguma forma entender o que aconteceu nesse último ano, mas ele insiste em não funcionar, o máximo que consigo é diminuir a velocidade. Na tentativa de acessar aquelas sequencias lógicas de imagens, sensações e sentimentos, que ficaram gravados em algum lugar nessa vasta escuridão preenchida com pequenos lotes de vida e energia, eu me pego acessando pequenos fragmentos de tempo que ficaram registrados e arquivados em prateleiras digitais. 

É engraçado perceber como a linearidade da vida se desfaz, e aquele que acreditava não conhecer por quais mares iria navegar, sabia de alguma forma o que estava por vir. E foi assim que 2017 se apresentou:

“It must be obvious… that there is a contradiction in wanting to be perfectly secure in a universe whose very nature is momentariness and fluidity.”

E foi assim, forçado a entender que segurança, controle, conforto, previsibilidade, funcionam muito bem no papel, porém em um oceano onde nenhuma onda é igual a outra, é impossível percorrer o mesmo caminho por duas vezes, pois já não somos mais os mesmos, o mar já não é mais o mesmo, o vento já está soprando em outra direção, as estrelas nos apontam outro caminho, e nesse momento somos forçados a ajustar as velas para uma nova direção.

Não foi fácil velejar nesse período, forçado a deixar de lado o meu refugio, aquilo que me ajudava encontrar o equilíbrio quando as coisas não estavam bem, tive que deixar os esportes de lado, por motivos diferentes, em momentos diferentes, uma nova perspectiva se apresentou, aquilo que eu nunca imaginei passar estava bem na minha frente, olhando em meus olhos enquanto ainda estava no chão, esperava por uma reação de quem havia acabado de levar uma surra. Mas para quem aprendeu a gostar do caminho e apreciar a jornada, um tropeço é apenas um tropeço, onde aprender e seguir em frente é a única escolha, e foi necessário aprender, aprender que ser/estar vulnerável é necessário:

enquanto se esconde a vida vai passando… aceitar as imperfeições e encarar os desafios é o que vai fazer a diferença amanhã… para isso precisamos nos deixar vulneráveis…
vulneráveis para seguir em frente mesmo sem ter muitas garantias…
vulneráveis sabendo que temos defeitos, mas também temos muitas qualidades… 
vulneráveis para aceitar que temos pouco controle sobre a vida e deixar de fingir que nossas atitudes não afetam os que estão ao nosso redor…
vulneráveis para pular mesmo sem saber se o paraquedas vai abrir, mas acreditando que cada minuto desse voo vai valer a pena, e que mesmo machucado teremos outra chance de pular…

E foi acreditando que cada minuto desse voo vai valer a pena que 2017 ditou o seu ritmo, foi acreditando que a cada novo dia teremos uma nova página em branco para completar, e mesmo sabendo que as ferramentas, conhecimento e experiências de cada um são diferentes, temos que continuar velejando.

Vou arquivar nos últimos registros dessa prateleira o meu agradecimento a toda a minha família e amigos, a todos que de alguma forma deixaram suas marcas nesse caderno de 2017, com intensões boas ou não, mas que de alguma forma me ajudaram chegar aqui melhor e mais forte. Vou arquivar uma parte de mim que já ficou, mas que pode ser útil para os que ousam viajar no tempo, os que ousam viajar por aí nessa imensidão de pequenos lotes de vida e energia.

Feliz 2018!! E com ele todas as surpresas que nos esperam, e nesse momento só desejo a todos coragem e sabedoria para ajustarem as velas na direção certa, e que tenham a sensibilidade de viajar no espaço e no tempo sem medo do escuro que nos abriga.

Vlw flws 2017…

8 opiniões sobre “2017… Um breve registro no tempo

  • 17 de maio de 2019 em 17:57
    Permalink

    Hi, I’m Mickey Michalik From New Germany.

    I just got married and my wife is a British Citizen, how can I apply for UK visa and

    Can anyone tell me how to locate a very good attorney or Consultant?

    Resposta
  • 20 de maio de 2019 em 18:27
    Permalink

    Lo más importante es que acudas al médico cuanto antes, pide cita ya con tu urólogo y no descartes pedir también ayuda psicológica.

    Resposta
  • 22 de maio de 2019 em 06:41
    Permalink

    El cortisol, que el cuerpo produce como respuesta al estrés, puede causar problemas sexuales; y durante los períodos de estrés, los niveles de testosterona (hormona que el cuerpo masculino necesita para producir erecciones) pueden disminuir.

    Resposta
  • 24 de maio de 2019 em 14:47
    Permalink

    Cialis helps by relaxing the muscles, which thus leads to increase of blood flow in the penile area.

    Resposta
  • 30 de maio de 2019 em 06:47
    Permalink

    ¿Qué explicación hay para un hombre de 30 años en perfecto estado de salud para experimentar problemas de erección? Cuando acuda a la consulta, el médico seguirá un proceso de evaluación diagnóstica; que es la realización de una historia clínica.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *