Vida que segue…

Esperança

Sabe aquela escolha onde parece que somos empurrados a agir, onde um pequeno sussurro invade a sua mente apenas para dizer acorde, não deixe passar, sabe aquela oportunidade?
Às vezes as coisas parecem que estão desenhadas, encaminhadas, definidas, seja lá qual palavra você deseja utilizar, às vezes parece que não temos muitas alternativas e tudo nos leva a apenas uma direção. E de certa forma aquilo que sempre procuramos começa a surgir novamente, aquela briga entre a razão e a emoção, aquela busca por certezas, tudo o que estava adormecido começa a nos consumir mais uma vez.

Sem muitas pretensões a vida vai ditando seu ritmo, algumas peças vão se encaixando, os limites que a mente ousava criar vão desaparecendo, o mundo começa a girar implorando para que saia do lugar. Não faz sentido deixar para depois o que nosso coração diz que deve ser agora, o medo que antes nos paralisava dá lugar a vontade de fazer acontecer, os erros do passado nos fortalecem, a incerteza do futuro nos dá a cautela necessária para aproveitar o presente. Hoje, passado, presente e futuro se misturam em apenas um sentimento, voltamos a acreditar nas pessoas, na cumplicidade do olhar, na conversa perdida, no abraço sem compromisso.

Mas nos engamos, nos enganamos no sentido de olhar apenas um lado da moeda, nos enganamos ao imaginar que o mundo estava girando apenas ao nosso redor, que os caminhos estão traçados apenas para o lugar que queremos ir, onde seremos levados para satisfazer os nossos desejos momentâneos. É difícil aceitar que o outro também tem seu caminho, tem seu momento, tem seu jeito de agir, é difícil aceitar que talvez fomos apenas uma peça que apareceu no momento certo, e que de certa forma foi importante. Nosso ego luta a aceitar ser coadjuvante no livro que brilhou na sua frente, e enquanto enxergamos apenas um lado da moeda, sofremos. Porém, basta entender que nem todos os caminhos são traçados para o futuro que imaginamos, as vezes existem desvios importantes, as vezes é preciso conhecermos novas paisagens, respirar novos ares, deixar a sua marca em terras amigas, basta entender que no livro da vida a próxima página ainda está em branco, basta entender que a vida é marcada por transformações, e nem sempre sabemos por onde andamos e nem onde iremos chegar.

Sua fé, seus valores e suas atitudes serão o seu guia, não adianta lutarmos contra o vento que sopra, podemos ajustar as velas para curtir os desvios que escolhemos, onde sempre seremos levados para os lugares que de alguma forma seremos uteis, que de alguma forma faremos a diferença. Aceitar, compreender e continuar de coração aberto, aproveitando a jornada e a paisagem que nos foi dada, esse é o nosso desafio.

Francisco Ribeiro de Oliveira

entre a lua e as estrelas

está na luz que vem do luar
na leve brisa ao entardecer
da simplicidade de um olhar
ao medo de perder

deslocados nessa imensidão
buscando um significado para trazer
a luz que falta nessa escuridão

poucos irão compreender
o seu modo de ser
se o simples lhe encantar
em outras frequências iremos vibrar

no céu estrelado se esconde
sua forma de viver
seu desejo de crescer

na dança de duas estrelas
um universo se criou
do passado que se foi
ao futuro que transformou

o destino não faz sentido
para quem resolveu apreciar
o caminho em um mundo desconhecido

Francisco Ribeiro de Oliveira

Atuar

por-do-sol

Vou andando por onde queira me levar
Das tormentas à tranquilidade
De um sonho à realidade
Por um mundo a desvendar

És a energia que nos move
O laço que nos envolve
A luz que brilha na escuridão
A sombra que transforma o dia

A mente que cria e destrói
A mente que une e separa
A mente que foge e enfrenta
A mente que nos guia e ilude

Distraídos no que pensamos ser
Distraídos pelo medo de errar
Até um dia me convencer
Que a vida é feita para atuar

Não sou a forma que se faz
Sou o ser em uma forma
Do contrário o ego se satisfaz
Separando-nos pela ilusão que se transforma

Procurando fora o que existe apenas dentro
Nos perdemos entre futuro e passado
Esquecendo o presente que nos foi dado

Que a nossa mente nos leve a acertar
Que a nossa mente nos leve a errar
Que a nossa mente nos leve a atuar

Francisco Ribeiro de Oliveira

Rio da Prata – Bonito MS

Dourado | Rio da Prata - Bonito MS
Dourado | Rio da Prata – Bonito MS

Esse é o primeiro post sobre a recente viagem a Bonito, cidade localizada no estado de Mato Grosso do Sul. Foram sete dias de viagem, cinco dias para passeios e conhecer a região, e o passeio para o Rio da Prata foi um dos últimos, não diria que foi para encerrar com chave de ouro, pois é muito difícil escolher o melhor. Leia mais

Deixe passar e faça a sua escolha

noite_lua_cheia

Essa ilusão que nos impede de viver, essa tentativa de delimitar o infinito, de tentar compreender o que precisaríamos apenas sentir. Toda essa nossa tentativa de analisar e planejar acaba se enfraquecendo conforme ele passa, aquele eu, aquele você, não existem mais e nem existirão conforme imaginamos no agora. Todo nosso esforço tentando controla-lo acabamos por desperdiça-lo, ao observa-lo temos a chance de aprender, ao ignora-lo temos a chance de viver. Ficou confuso? Estou falando do tempo.

Já tentou se imaginar sem as concepções de tempo pré-estabelecidas pela sociedade? Como seria sua vida se fosse viver fora das regras do jogo?

Imagine-se sem um relógio, imagine que você precise viver durante uma semana sem saber o horário atual, qual seria sua primeira preocupação? Como acordar para ir ao trabalho? Quando comer? Quanto tempo ficar na academia? Quantas páginas daquele livro eu devo ler? Quando aquela reunião chata vai acabar? Quantas horas para o próximo final de semana? Já devo ir dormir?

Fácil? Mais ou menos, então se imagine em um mundo sem relógios, conseguiríamos nos organizar? Agora parece que complicou, mas ainda está fácil, se imagine um mundo sem calendários e sem relógios, ninguém sabe e nunca ouviu falar, temos apenas um dia após o outro, e nesse mundo ninguém tem noção de quanto tempo ainda tem de vida, quais seriam os seus planos? Quais seriam as suas preocupações? Aquela birrinha ainda faria sentido? Ficaria preocupado com o passado? Passaria o dia todo reclamando ou aproveitaria cada momento que lhe resta? Aquela tarde de sol pode ter sido a última, aquela lua cheia nascendo pode ter sido a mais bela, aquela viagem não pode esperar, deixe passar e faça a sua escolha.

Tudo isso parece não fazer muito sentido, mas repare quanta energia gastamos tentando controlar o que não podemos. Viver ignorando o tempo me parece estupidez, mas podemos aprender com ele, podemos entendê-lo e usa-lo ao nosso favor, um passo de cada vez em direção ao que nos faz melhor, nos faz crescer e nos ensina a viver.

O vídeo abaixo nos ensina que podemos aprender com quem menos esperamos.


 

14 anos

 

Francisco Ribeiro de Oliveira

Azul e Branco

azul e branco

 

Um quadro azul e branco
Onde um olhar
Reflete o que deixei de sonhar

 

Um quadro branco e azul
Faz-me entender
Enxergamos o que queremos ver

 

Nas pequenas batalhas se escondem
As nuvens de nossa solidão
Para em azul e branco brilhar
A quem queira nos enxergar

 

Com a plateia não vou me preocupar
Se pequenas batalhas eu vencer
O espetáculo ao entardecer
De branco e azul eu vou pintar

 

Francisco Ribeiro de Oliveira